O que é “pensamento computacional”?

student and tablet in classroom

Estou engajado com uma iniciativa que tem me agradado muito…

Uso uma plataforma chamada Scratch para ensinar “computação criativa” a alunos do ensino fundamental e decidi mergulhar de cabeça para desvendar esse novo conceito (pelo menos em terras tupiniquins)!

No início foi um pouco difícil entender a dimensão do conceito, mas percebi que ele já está muito maduro e em pleno uso pelas principais escolas, universidades (sim, até elas) e institutos de educação no mundo.

Fiquei tão interessado que entrei em contato com algumas pessoas em outros países para extrair um pouco da experiência deles; fiquei muito surpreso com os resultados.

Atualmente estou trabalhando na tradução de uns documentos (com licença Creative Commons) para usar nas aulas do próximo ano (2015).

Basicamente a computação criativa está fundamentada em três alicerces:

  1. Conceitos (tais como: sequenciamento, loops, paralelismo, eventos, condicionais, operadores e dados);
  2. Práticas (experimentação, interação, teste, debugging, reuso, abstração e modularização);
  3. Perspectivas (expressão, conexão e questionamento).

Usando uma ferramenta (no caso o Scratch) para estimular e reforçar a computação criativa, tenho plena certeza que teremos resultados muito interessantes em breve; uma juventude melhor capacitada para o cidadão do nosso século!

Obs.: a imagem usada nesse post foi adquirida aqui.

Google: a biografia

110667501GGAutor: Steven Levy

Editora: Universo dos livros

Comecei a ler esse livro de forma despretensiosa e minha conclusão ao final foi : S-E-N-S-A-C-I-O-N-A-L…

O autor nos leva através de cada capítulo a um ponto de grande polêmica na história da empresa, isso envolvendo os principais produtos (aos quais estamos tão acostumados a usar).

Fiquei impressionado com a quantidade de processos pelos quais o Google passou (assim como a Microsoft nos anos 1990)!

Sem ser muito tendencioso, Levy nos apresenta uma timeline e quem viveu esse período (1995 – 2008) recorda claramente de alguma situações (lembra que para ter um Gmail era necessário um convite?).

Fiquei muito satisfeito em ter lido essa obra. Recomendo fortemente para quem gosta de entender um pouco esse universo (o de gigantescas empresas), onde algumas ideias para a maioria das pessoas pode ser maluca ou absurda, porém para uma minoria é perfeitamente plausível (com o time e investimentos certos).

Fundamentos de ITIL – webinar realizado em 11/10/2014

Webinar ConceptRealizei um webinar gratuito (ver completo aqui); esse será o primeiro de uma série que visa “posicionar” um pouco melhor a ITIL perante a comunidade de TI nacional.

A ideia é movimentar um pouco mais a comunidade de certificados (ou não ) em ITIL.

Participe da série, prestigie nosso movimento…

 

Obs.: a imagem usada nesse post foi adquirida aqui.

 

 

 

 

 

 

Empresas: cuidado com o funcionário que desejam! Ele pode aparecer…

Depositphotos_52353553_mEstava conversando com um de meus colegas de profissão e surgiu uma demanda para indicação de um profissional, a empresa na qual ele trabalha estava à procura de “currículos” visando completar uma vaga interna…

Pedi para que ele me enviasse os pré-requisitos da oportunidade, pois como conheço muita gente, possivelmente conseguiria indicar alguém.

Quando recebi o e-mail com as informações confesso que fiquei estupefato, segue o motivo:

“… profissional com experiência para trabalhar em equipe, certificações (PMP , ITIL e desejável BPM), inglês fluente (desejável espanhol)… salário [aqui quase caí da minha cadeira] R$ 5.000,00, benefícios inclusos…”

Não resisti e liguei para meu colega e com um tom jocoso perguntei à ele quanto tempo essa vaga estava em aberto e qual era especificamente a função do “novo profissional”, segue um breve relato de nosso diálogo:

[Colega] – Essa vaga é para analista de projetos, temos uma infinidade de trabalho aqui e nosso gerente de projetos está precisando de uma “força extra”!

[Eu] – Entendi, e para isso vocês querem um PMP?

[Colega] – Sim, afinal o candidato precisa conhecer as melhores práticas. Não queremos uma pessoa na qual tenhamos que ensinar todo o trabalho.

[Eu] – Muito interessante. No caso do ITIL, que tipo de serviço o “candidato” vai gerenciar? Seria para TI?

[Colega] – Bom, nesse caso não sei te responder. Mas deve ter relação com a “grade de conhecimento”…

[Eu] – Ah sim, a grade… Outra questão, BPM? Ele vai levantar, analisar, otimizar os processos?

[Colega] –  Com certeza! Não podemos deixar o “cara” encostado aqui quando a baixa de projetos aparecer…temos muitos processos internos para melhorar.

[Eu] – Camarada, se aparecer algum candidato com esses requisitos por aí, me faz um favor?

[Colega] – Claro, o que é?

[Eu] – Manda pra cá que eu contrato por R$ 5.500,00!

Obs.: a imagem usada nesse post foi adquirida nesse site.

IOS 8: Uma dor de cabeça para a “Maçã”!

confused woman with cell phoneFaz tempo que não via uma atualização de software causar tanta comoção em seus usuários (clientes, na verdade)…

Recentemente a Apple realizou a atualização em seu sistema operacional (IOS) para a versão 8; que desastre! Visivelmente essa versão foi pouco testada.

Como toda empresa de software bem sabe, qualquer liberação de uma nova versão é necessário fazer testes de stress ao máximo. Existem companhias especializadas nesse segmento (teste de software) que podem auxiliar a encontrar falhas (os renomados “bugs”).

No início achei que o problema da atualização era apenas comigo, mas decidi ir um pouco mais a fundo e pasmem! Havia uma gigante parcela dos clientes Apple com tamanha insatisfação que alguns descobriram como fazer um “downgrade” (voltar a versão anterior do software).

A lista é imensa: incompatibilidade de hardware, incompatibilidade de software, a promessa de corrigir erros rapidamente e por fim a viabilidade de downgrade.

Fico imaginando como deve ser a dor de cabeça da equipe de engenharia de uma companhia com esse porte, pois em meu time de desenvolvimento temos o máximo de cuidado com liberações, atualizações, etc.; bom, onde trabalho nós usamos ITIL e isso facilita um pouco a vida.

Será que devido ao tamanho, uma empresa perde um pouco da “essência” do desenvolvimento seguro e fica à mercê de pressões do mercado (clientes, acionistas e concorrência)?

Bom, no fim das contas, acendi uma vela para o santo Jobs; só pra ver se ele ilumina seus desenvolvedores, pois com essa tenho plena certeza ele está virando de raiva em seu túmulo!

Obs.: a imagem usada nesse post foi adquirida nesse site.

 

Não acredite em tudo que lê nas redes sociais… Evite o efeito “manada”!

silver opened padlock on digital backgroundPode parecer brincadeira, mas a algumas semanas atrás verifiquei um post, que havia sido “compartilhado” sobre a morte de um famoso (e gordinho) apresentador de televisão; tudo bem que ele estava hospitalizado, mas como poderia ter seu quadro clínico agravado tão rapidamente?

Lembrei no mesmo instante de outro post que havia lido, muito parecido, mas a “vítima” era um ator mexicano famoso por um seriado de televisão…

Em resumo, as “afirmações” de óbito eram falsas e foram disseminadas através de uma rede social. Elas tinham em comum apenas o disparate e a falta de fonte confiável, mas a comoção que criaram foi impressionante, afinal todos gostam de atores mexicanos engraçados e gordinhos apresentadores de  televisão.

Refleti durante um tempo e cheguei à conclusão de como ficou fácil enganar as pessoas, pois ninguém mais se preocupa em verificar alguma informação; nossos perfis (e nossa própria vida) estão tão expostos que qualquer pessoa má intencionada pode se apropriar de informações pessoais e fazer uma “festa” quando o assunto é vilania.

Bom senso é algo que dificilmente os usuários de redes sociais possuem; recomendo um pouco de reflexão sobre disseminar informações mirabolantes, evite ser mais um na manada!