Monitorar o desempenho da equipe… Parece fácil, mas não é!

Exhausted businessmanTenho me esforçado para melhorar a maturidade das minhas equipes!

Para isso é importante que eles estejam alinhados com a estratégia, visão e missão da empresa na qual trabalhamos; essa frase parece ter sido retirada de algum livro empoeirado de gestão de pessoas, mas apesar do tema ser muito “batido” concordo plenamente…

Vou implantar alguns KPI’s e tenho percebido certa resistência principalmente nos meus colaboradores mais experientes.

A questão principal gira em torno dos objetivos (podemos chamar de metas também) que possuímos e entender através de alguns indicadores se realmente estamos cumprindo o que especificamos como “aceitável” para a boa gestão dos processos do cotidiano da empresa.

É bem verdade que as avaliações resultantes dos KPI’s vão indicar alguns “gargalos”, mas o foco deve ser na correção e otimização dos serviços medidos.

Uma gestão baseada em indicadores traz uma série de benefícios, dentre os quais considero como importantes: meritocracia, alinhamento da carga de trabalho, visão estratégica da equipe e identificação rápida dos principais talentos…

Atualmente não dá para viver no clima “deixa a vida me levar”… Quando se trata de equipes, o melhor é pontuar, pois afinal, não existe “segunda divisão” no mundo dos negócios…

Obs.: a imagem usada nesse post foi adquirida aqui.

Como ensinar liderança a alguém?

businesswoman drawing plan of Audit

Ultimamente tenho dispendido boa parte de meu tempo livre a aprofundar meu entendimento sobre alguns assuntos que considero importantes; “Liderança” é um deles!

Adquiri alguns livros “campeões” nesse tema e venho reciclando meu próprio ponto de vista. Um pouco de novidade não faz mal a ninguém…

No entanto, é necessário visualizar com moderação as situações expostas ou receitas prontas, coisas do tipo: “a última palavra sobre liderança”, entre outras mais.

Como disse, através dessa atualização pude perceber que “medalhões” sobre o tema ainda são muito válidos e que pouco mudou, apesar de termos gerações mais “velozes” trabalhando em nossos ambientes corporativos.

E é nesse ponto que entra a tal “atualização”!

Como liderar esse pessoal que já nasceu usando um tablet e tem tudo à disposição. Que considera aprender por osmose, pois alguns (pelo menos os que conheço) dedicam pouco tempo a aprofundar seu conhecimento sobre determinados temas e que usa ferramentas de busca na internet para descobrir temas que pelo menos em parte já deveriam vir de “fábrica”?

Essa resposta é bem mais profunda do que parece; formar um líder para o tempo em que vivemos está cada vez mais difícil.

Praticamente precisamos de um “Einstein” do relacionamento ou um “Beethoven” da gestão e não me venha com menos!

Há algumas semanas estou empenhado em passar um pouco da experiência que possuo para alguns de meus colaboradores; estou focando em conceitos dos quais considero muito importantes, tais como: integridade, ética pessoal, transparência, senso de coletivo, liderança através de exemplo, gestão do tempo e dedicação ao próprio trabalho.

Imagino que em posse dessas “ferramentas” a pessoa consiga se destacar dos seus pares e ser percebido, pois afinal, as empresas são feitas de pessoas…

O resto? Bom, os livros estão aí para isso mesmo!

Obs.: a imagem usada nesse post foi adquirida aqui.

Investir nos talentos de sua equipe… Isso sim é liderança!!!

7658149332_2026323126_zRecentemente estive procurando uns cursos para alguns membros de minha equipe visando eliminar umas lacunas de conhecimento e após uma semana consegui chegar a um denominador comum…

Levei o investimento para a diretoria e sem pestanejar tive o orçamento aprovado em uma rápida reunião.

As vezes me impressiono com a “visibilidade” de longo prazo que alguns diretores possuem, pois não dá pra explicar através de números qual será o retorno para a empresa de um curso para um de nossos funcionários…

O único questionamento que tive foi a clássica pergunta: “e se as pessoas nas quais estamos investindo forem embora?”; respondi com o mais clássico “chavão” que sempre vejo nas redes sociais: “chefe, eu ficaria mais preocupado se não fizéssemos nada e ainda assim eles ficarem trabalhando conosco!!!” – acredito piamente que uma pessoa que recebeu um “investimento” desse tipo pensaria duas vezes antes de ir para novos rumos corporativos…

Definitivamente, preparar sua equipe através de investimentos pontuais e um planejamento conjunto não tem nenhum mistério. No meu ponto de vista, isso estreita os “laços” do funcionário com a organização, pois ele (o funcionário) se sente parte do todo e começa a entender que é importante para a concretização do planejamento estratégico.

Pode parecer um gesto simples, mas os resultados são excelentes, para ambas as partes (empresa e funcionário); é a tão esperada relação “ganha-ganha” da qual sempre ouvimos falar mas temos poucos exemplos.

Estou muito satisfeito com o desempenho da empresa, da diretoria, dos funcionários e por que não, com o meu próprio desempenho; me esforço muito para cumprir minhas promessas, mas se você não tiver o apoio necessário será apenas uma gota no oceano…

A imagem usada nesse post tem licença Creative Commons e pode ser encontrada aqui.

O poder da boa comunicação

ComunicaçãoRecentemente percebi um incremento na forma de comunicação entre os membros de minha equipe.

Como sou uma pessoa que preza pela comunicação “visual”, ou seja, abuso de desenhos, mapas mentais, organogramas, etc., possuo um caderno (isso mesmo) em plena Era de comunicação digital.

Prefiro escrever, rabiscar, fazer milhões de setas indicativas e por aí vai…

O mais interessante é que as pessoas que trabalham comigo de certa forma “absorveram” esse tipo de comunicação.

Visivelmente após esse insight, a forma de abordarmos os inúmeros temas ficou muito mais interativa, eficiente e clara.

O que ficou evidente para mim, foi a incrível capacidade de adequação dos integrantes da equipe e a busca incessante na forma de melhorar a comunicação.

Recomendo para todo gestor que tenta ser claro em sua comunicação, abusar dos recursos visuais; isso facilita a compreensão e cria um ambiente descontraído.

Deem uma olhada em:

http://www.mindmapping.com (informações sobre mind mapping)

http://www.dtbrbook.com.br (informações sobre design thinking)

São alguns sites que tem dicas e conceitos valiosos para incrementar os recursos de comunicação.

Lembrem-se: todo bom gestor precisa ser um ótimo comunicador.

 

Obs.: A foto usada neste post possui licença Creative Commons e pode ser encontrada em:
http: //www.flickr.com/photos/hpebley3/8534543432/in/photolist-e1aLqy-cacTwA-4xsnju-gcyar1-gcxX4J-7Xq5He-67ciYj-bu16Ar-bu188H-bu19n8-bu1aGD-bu1chg-7Lgp8V-8gQFrS-7Xq1CX-8gMpmv-b9MV8v-buvEDn-8Bimf-9DyKAa-c6URgy-6aSxRE-mNjjf8-mNji4k-mNjgSn-mNjawZ-mNjbMV-mNjiKv-mNja6P-cqdQo3-5x52nX-5rciHi-9uvrtH-9RNhpz-bzYq3A-ccBDHh-ccBzp5-ccBDb3-ccBCWj-ccBACL-bVfn9P-bVfnLX-bVfqDk-bVfk8k-bVfkpe-bVfmP2-dtwgQC-dtwfRd-5rgDAq-dtqHHa

Informações sobre o modelo de licença:
http://creativecommons.org/licenses/by/2.0/deed.en

Pratique o direito!

Como resolver problemas? Mantenha a cabeça fria…

Mad peopleQuem nunca se sentiu ansioso ou nervoso a tal ponto que simplesmente não conseguiu mais pensar? As mãos suadas e o corpo frio?

Bem-vindo ao mundo real…. Situações de estresse parecem mais comuns do que realmente acreditamos! Somos mais vulneráveis do que achamos; em suma: somos humanos (apesar de nossos gestores ainda acreditarem que somos uma máquina)!

Tenho percebido que parte da ansiedade tem origem em momentos corriqueiros onde ações rápidas e “com pouca margem de erro” são necessárias, ou seja, nossos costumeiros “problemas diários” …

Recentemente me encontrei em uma situação exatamente como a descrita; um projeto de altíssima importância, não tanto pelo valor, mas pela criticidade da solução e pelos processos vitais envolvidos; minha equipe exalava ansiedade e visivelmente à medida em que repassávamos o plano de ação o grupo todo entrava em uma sintonia “negativa”.

Percebi que algo não estava bem quando meu líder do grupo não conseguia repetir o que eu acabara de demonstrar.

Decidi dar uma pausa e “voltar à escola” com o grupo. Falei rapidamente sobre montarmos uma matriz GUT e priorizarmos os problemas….

Pode parecer pouco, mas o simples fato de mudarmos o foco e discutirmos sobre o que cada integrante da equipe considerava um problema deu mais segurança ao time e a partir dali o trabalho engrenou de forma satisfatória.

Final da estória: trabalho concluído com sucesso. Foi um dia insano, muita atividade, pessoas estressadas, pressão da direção pelo resultado; mas a equipe segurou a “onda”…. a partir dali todos crescemos mais um pouco em nossa “vida profissional”. Resolver os problemas com a cabeça fria e de forma participativa traz sim resultados efetivos.

Obs.: a imagem deste post está sob licença creative commom.

A difícil arte de liderar.

liderarUltimamente tenho percebido que muitos “gurus” têm surgido quando o assunto liderança é abordado.

No entanto, sem contar com os costumeiros “chavões”, o que realmente se pode esperar de um líder?

Concordo que não é um tema simples, mas no meu entendimento ser líder é antes de tudo entender de pessoas. Conhecer os limites de cada um, o que os motiva e acima de tudo: saber o que seus liderados esperam do seu papel como líder…

Essa é a parte mais difícil da arte de liderar. Fazer com que as pessoas gostem do seu papel, de seu engajamento e antes de tudo o respeitem como indivíduo.

Isso tudo não possui uma receita a ser seguida, mas começa obrigatoriamente com o diálogo. Nunca pense que alguns minutos de conversa com as pessoas de sua equipe, empresa ou comunidade é um tempo desperdiçado. Somente dessa forma conseguirá avaliar o grau de envolvimento de cada elemento que compõe o grupo e fica um pouco mais fácil determinar o tamanho do esforço que o papel do líder precisará dispor.

Em suma: acredite nas pessoas.

Dê à elas um pedaço de trabalho a ser compartilhado com o grupo; faça-as sentir a importância do papel desempenhado para a realização do todo.

Ser líder não é fácil, mas é o trabalho mais empolgante do mundo!!!

O perfil do líder atual.

LiderEstá mais difícil liderar sua equipe? As pessoas estão mais exigentes em relação ao cargo de liderança? Estão impacientes sobre modelos antiquados onde o gestor (líder) apenas “ordena” e não está alinhado com as expectativas individuais e coletivas do grupo?

Perguntas difíceis de responder prontamente.

Tenho observado uma “evolução” no perfil das pessoas que compõem as equipes com as quais trabalhei (e trabalho). Para liderar seu time é necessário estar presente no cotidiano de cada elemento, participar de forma ativa, delegar com responsabilidade, cobrar resultados (mas nada absurdo) e principalmente: saber ouvir! Os talentos individuais precisam ser estimulados de forma a colaborar com a inteligência coletiva da equipe. Não raro, os talentos evadem de uma corporação com o discurso de que não foram aproveitados ou não possuíam um ambiente estimulante onde os desafios e a meritocracia sejam reais, bem como as recompensas de um bom trabalho…

Aparentemente são os principais pontos que identifiquei acompanhando minhas equipes.

A fidelidade corporativa não existe mais, o que ficou é a fidelidade às pessoas com as quais trabalhamos. Conquistar isso é um raro exemplo de sucesso para os líderes.

O perfil de um líder atual precisa estar alinhado com desenvolvimento individual constante, gostar de trabalhar com pessoas, possuir uma “linha mestre” com sua própria ética profissional e pessoal, ter ciência de que o trabalho é possibilitar aos seus liderados que eles possam fazer o que são melhores, com apoio e supervisão para que todos saibam onde é o “norte”.

Enfim, ser líder não é uma tarefa fácil. Se você possui algumas das características acima, seja bem-vindo. O mundo precisa de líderes cada vez melhores. Seja um deles!!!

Como liderar a nova geração de trabalhadores em tecnologia?

Geração YUma das maiores dificuldades que os líderes encontram é disseminar a informação necessária para todo o grupo.

Além da boa oratória, a forma como essa transmissão acontece é ainda mais crítica.

Com o aumento de jovens que pertencem a famigerada “geração Y”, os líderes (geralmente pessoas mais velhas) sentem uma enorme dificuldade no relacionamento interpessoal. Seja por medo ou por auto proteção, a forma como repassam as tarefas ainda segue o velho modelo onipresente na Era Industrial, ou seja, top-down.

Na outra extremidade estão as pessoas jovens; elas pertencem a um mundo que já nasceu conectado, os eventos acontecem em uma velocidade impressionante e esse “novo mundo” não conhece (ou nunca ouviu falar) uma estrutura hierárquica muito fechada, pois estão acostumados a liberdade proporcionada pela internet.

Cabe ao líder realizar uma auto avaliação e se for o caso, fazer um “upgrade” em si mesmo. Entender esses jovens que insistem em almoçar, teclar em seus smartphones e manter uma conversa animada com todos a sua volta possuem um elevado potencial e capacidade de aprendizado.

O segredo é a empatia! Conversar sem medo e preparar o terreno para que eles consigam se desenvolver a no futuro compor as tão desejadas “equipes de alta performance” (sonho de todo líder).

Matérias interessantes sobre liderança moderna:

http://cio.uol.com.br/carreira/2008/07/14/como-liderar-a-geracao-y

http://informationweek.itweb.com.br/15535/como-liderar-a-geracao-y-e-reter-os-jovens-talentos-de-ti

http://www.revistaacademica.net/trabalho/18021303.html