Como a gamificação pode ajudar as equipes?

Nem é preciso dizer que a competição entre pares é um ótimo estímulo, principalmente quando as pessoas são estimuladas, de uma forma positiva, a competirem para melhorar seus próprios resultados.

Sempre acreditei que perseguir um objetivo é uma ótima motivação!

Recentemente tenho aprofundado um pouco o que sei sobre gamificação e estou muito surpreso em ver a evolução desse conceito e suas aplicações práticas que vão desde rankings on-line até distribuição de badges por objetivos alcançados.

Realmente há muita diversidade no ferramental, mas antes de tudo é necessário efetuar um alinhamento com as equipes e colher o valor que cada indivíduo dá ao processo de gamificação.

De nada adianta, nesse caso em específico, começar um plano top down para uso de jogos como elemento de melhoria no resultado de sua equipe se todos não estiverem comprometidos com os valores da gamificação.

Acredito que qualquer gestor precisa conhecer os membros de seu time em um nível mais individual possível. Não é todo mundo que possui um dom natural para a competição. O líder consciente precisa identificar em sua equipe os mais variados perfis, tais como: os ansiosos, os incansáveis, os trabalhadores contumazes e por aí vai… No entanto isso dá muito trabalho, e  fatalmente vejo gestores que passam a não se importar com as características individuais dos integrantes de sua equipe e criam planos tão abrangentes que fica até difícil distribuir as tarefas entre o time!

A gamificação não é um fim, tampouco a solução para os problemas de performance de equipes, mas certamente auxilia e muito a elevar o moral e a vontade de todos competirem de forma saudável… Perseguir um objetivo não é uma tarefa fácil, mas ao atingir uma meta e enxergar seus resultados práticos não tem preço… para um time e para o gestor.

Investir nos talentos de sua equipe… Isso sim é liderança!!!

7658149332_2026323126_zRecentemente estive procurando uns cursos para alguns membros de minha equipe visando eliminar umas lacunas de conhecimento e após uma semana consegui chegar a um denominador comum…

Levei o investimento para a diretoria e sem pestanejar tive o orçamento aprovado em uma rápida reunião.

As vezes me impressiono com a “visibilidade” de longo prazo que alguns diretores possuem, pois não dá pra explicar através de números qual será o retorno para a empresa de um curso para um de nossos funcionários…

O único questionamento que tive foi a clássica pergunta: “e se as pessoas nas quais estamos investindo forem embora?”; respondi com o mais clássico “chavão” que sempre vejo nas redes sociais: “chefe, eu ficaria mais preocupado se não fizéssemos nada e ainda assim eles ficarem trabalhando conosco!!!” – acredito piamente que uma pessoa que recebeu um “investimento” desse tipo pensaria duas vezes antes de ir para novos rumos corporativos…

Definitivamente, preparar sua equipe através de investimentos pontuais e um planejamento conjunto não tem nenhum mistério. No meu ponto de vista, isso estreita os “laços” do funcionário com a organização, pois ele (o funcionário) se sente parte do todo e começa a entender que é importante para a concretização do planejamento estratégico.

Pode parecer um gesto simples, mas os resultados são excelentes, para ambas as partes (empresa e funcionário); é a tão esperada relação “ganha-ganha” da qual sempre ouvimos falar mas temos poucos exemplos.

Estou muito satisfeito com o desempenho da empresa, da diretoria, dos funcionários e por que não, com o meu próprio desempenho; me esforço muito para cumprir minhas promessas, mas se você não tiver o apoio necessário será apenas uma gota no oceano…

A imagem usada nesse post tem licença Creative Commons e pode ser encontrada aqui.