Como ensinar a nova geração?

4824411391_f3d59df446

Participei de um fórum no qual o tema era aprendizagem colaborativa, e-learning e o uso das plataformas digitais voltadas à educação.

É impressionante como mudou (e rapidamente) a forma como as pessoas estão aprendendo.

As TIC’s proporcionaram um avanço sensacional no campo da educação. Hoje qualquer pessoa pode estudar no exterior (fora de seu país de origem) sem mesmo nunca ter viajado para esse país.

Até aí tudo bem.

No entanto a discussão foi para o lado das teorias, uma delas despertou o meu interesse: como a pessoa que faz uso desse tipo de tecnologia para se aperfeiçoar faz a triagem de tanta informação disponível?

Acredito que é necessário existir um “letramento digital”; uma capacidade mínima para discernir o que é relevante nesse oceano de informação e isso com certeza pode (e deve) ser ensinado.

Outras características que precisam ser exploradas nesses “novos alunos” são: gestão do próprio tempo, resistência à frustração e capacidade de comunicação acima da média (pois seus colegas e tutores não estarão no mesmo espaço físico).

Com certeza ainda veremos muita novidade nessa área.

Estou me preparando para encarar esses novos desafios, meus pequenos alunos também.

A imagem utilizada nesse post tem licença Creative Commons e pode ser encontrada aqui.

A importância de atualizar-se constantemente…

ThinkingRecentemente participei de um fórum onde o tema principal era a evolução do “capital intelectual”; percebi que as opiniões diferiam em muito da minha.

Sempre defendi que a “especialização” é uma forma de agregar valor ao profissional e procurei defender meu ponto de vista perante meus colegas.

Usei o exemplo das certificações profissionais (Ex.: PMP, ITIL, PRINCE2) onde vejo enorme valor em um profissional que acabou se especializando na trilha de aprendizado dentro do programa de certificação proposto pelo mantenedor, ou seja, uma pessoa que estudou a fundo sobre o assunto e galgou a “carreira” da certificação.

Em suma, “confio” muito mais em um profissional que possui uma certificação dentro de determinada área e que a levou até o topo da trilha de certificação, do que em outro que possui algo em torno de 23 certificações de mercado!!!

No entanto o cerne da questão migrou para a constante evolução que o profissional de TI precisa realizar, e nisso todos concordamos prontamente.

Não podemos (falo como profissional de TI) nos dar ao luxo de pararmos de estudar, pois nossas ferramentas de trabalho evoluem a cada instante.

Esteja preparado para sempre estar sentado em sala de aula (ou em casa através de e-learning).

Mantenha sua “empregabilidade” em alta e seu conhecimento afiado… O mercado está de olho em você!!!

Obs.: a imagem inserida nesse post foi obtida através de licença creative commons. Pratique o direito.