Inteligência Artificial

Autor: Kai-Fu Lee

Editora: Globo Livros

O livro possui a meta de ser um divisor no entendimento do que irá acontecer em um futuro próximo, no entanto, na minha opinião, 2/3 da obra estão presas em um ciclo de repetição de informações no qual o leitor precisa se esforçar para retirar algo de produtivo.

No último terço, a obra torna-se autobiográfica e a partir desse momento é possível vislumbrar a mudança pessoal e profissional que muitos executivos em atividade sonham em promover, porém não possuem “força”, ou “coragem” para levar a cabo…

Para mim, foi mais do que suficiente. Gostei das ideias e entendi que o autor apenas flertou com o futuro, mas o trabalho de anos a fio com o tema da Inteligência Artificial deixou-o mais humano, afável e acabou aproximando-o de sua família, que como na vida de qualquer executivo é a primeira opção a ser colocada de lado no quesito prioridades.

A competição desenfreada, muitas vezes consigo mesmo não pode ser um fator no qual a pessoa acabe sozinha, afastado da vida cotidiana e dos melhores momentos de sua família. Tudo tem um limite! E foi isso que enxerguei em uma obra que trata de Inteligência Artificial.

A inteligência artificial enfim está entre nós?

Fonte: https://br.depositphotos.com/

Fiquei pensando há alguns dias em quais serviços atualmente ainda não dispõem do uso de AI, ou IA em bom português.

Certamente foi um duro exercício, pois em boa parte dos websites a análise comportamental é um item quase obrigatório para conhecer melhor os visitantes e as preferências deles, sempre visando a melhor experiência de compra, beirando a personalização tão sonhada pelos engenheiros.

No entanto não basta conhecer o indivíduo, mas sim dialogar em diferentes níveis com ele, e nesse ponto acho muito interessante ler o artigo da Wiki sobre história da inteligência artificial vai facilitar a resolução da velha equação de existir mais trabalho do que pessoas disponíveis para atendimento. No entanto não é tão simples, pois ainda encontramos resistência das pessoas em serem atendidas por uma máquina, ou trechos de código em um programa de computador.

Imagine um professor robô como seria interessante a discussão sobre questões fundamentais e com nuances que nós humanos enxergamos nas entrelinhas…

Claramente a IA está entre nós… e veio para ficar!