O efeito Facebook

Autor: David Kirkpatrick

Editora: Intrínseca

O livro é muito bom!

Acho que esperei muito tempo para ler e a sensação que tive foi de ver tudo o que estava sendo apresentado como uma espécie de “suposição” para o futuro de fato aconteceu.

Para conhecer um pouco mais sobre o sr. Kirkpatrick li algumas entrevistas que ele concedeu e essa se encaixa perfeitamente com o apresentado em seu livro.

Ele traça a história da criação do “Thefacebook” até o ano de 2010. É incrível como um projeto sem nenhuma ambição maior do que ser um repositório de informações sobre os alunos de uma faculdade americana se transformou na gigante da internet que atualmente é o Facebook.

O fundador Zuckerberg entrevistado por um longo período é bem diferente do “vilão” no filme a “Rede Social”.

Vale muito a pena ler.

A “evolução” do usuário de tecnologia

É inegável a mudança que a tecnologia promoveu em nossas vidas… atualmente essa frase soa até um pouco piegas, pois querendo ou não estamos conectados em boa parte de nosso dia!

As facilidades de uma vida “on-line” são inúmeras, assim como também são gigantescos os problemas e riscos de termos nossa vida “real” espelhada na “virtual”…

Recentemente li em uma matéria (não era fake news, pois costumo checar a fonte) que um estado norte americano vai aplicar multas em pedestres que atravessam a rua olhando para a tela de seu smartphone! Não parece algo do outro mundo? Infelizmente não. A tecnologia traz inovações e pouco a pouco muda a rotina e a forma de como as pessoas se relacionam com o meio em que vivem.

Pode parecer brincadeira, mas pesquisas apontam que as pessoas estão cada vez mais conectadas; isso é uma “faca de dois gumes”! Como tudo na vida existe o lado bom e o “ruim”. O lado bom é relativo às facilidades que existem atualmente, tais como: e-learning, e-commerce, e-banking, etc. Por outro lado, classifico a falta de critério como um novo tipo de pessoa: os “e-diots”!

Imaginem só sair clicando em qualquer notícia e replicá-la sem o mínimo de critério, correntes “espirituais” onde em caso de deleção a futura sorte do usuário será quase um desastre! Fotos íntimas em dispositivos inseguros (o Brasil criou até uma legislação para esses casos) que de forma fácil podem ser replicadas em sites de índole duvidosa…

Realmente a vida ficou um pouco mais difícil!